1

Gabriella Assalis

gabriellaassalis@hotmail.com

Atualmente, é comum associar a literatura à sociedade, no entanto, nem sempre foi assim. Na verdade, especula-se que foi Madame de Staël, na França, que primeiramente trouxe essa ideia de tornar a literatura um produto social. Para a sociologia moderna, a arte é social, isto porque além de depender do meio para ser criada, também causa efeitos de valores sociais e morais. Em um movimento literário existe uma juridicidade e autenticidade que ultrapassa a esfera estatal, afinal retrata uma obra feita pela própria nação, capaz de ilustrar por meio da arte umas das maiores recompensas sociais com caráter contínuo e incisivo.

O movimento Modernista, é exatamente essa exemplificação dos valores sociais com reflexo juridico, sendo um dos maiores e mais importantes momentos para o nosso país.

abaporu-2-cke
Abaporu, de Tarsila do Amaral

Quem não conhece a famosíssima imagem de Tarsila do Amaral ?

Nessa obra de arte encontra-se uma relação com o livro de Macunaíma (escrito por Mário de Andrade). Se notarmos a pintura da cabeça é desproporcional ao corpo, o que traz o conceito de um território amplo, contudo com um raciocínio “encolhido”. Nesse ponto , a pintora valoriza as cores nacionais, representando um espírito nacionalista ao passo que também faz uma crítica a mentalidade e administração do Brasil.

Augusto dos Campos escreveu uma poesia que não poderia deixar mais clara a situação econômica do país.

Luxo-lixo-luxo

se não tem lixo não tem

luxo não tem lixo

precisa de lixo pra ter luxo

pra ter lixo tem o luxo

pra mais luxo vai mais lixo vai

mais lixo pra mais luxo que

só cresce quando o lixo cresce

mais luxo mais lixo mais

luxo do lixo que

vem dos que não tem luxo

os que tem mandam mais lixo

pra miséria do lixo do

mundo gente-lixo-luxo-lixo

para o luxo-gente-lixo

(Luxo-lixo. Campos, Augusto).

Se comparado com o que é visto nas ruas brasileiras atualmente, encontra-se a mesma expressão, reflexiva, intrépida e sensibilizadora.

33
“Preciso de comida, não de futebol”, de Paulo Ito

A imagem  retrata o que foi ilustrado por Augusto dos Campos no século XX e que se mostrou bastante  atual, visto que o grafite foi feito ainda na década pós anos 2000.

 A arte tem esse poder de impactar e demonstrar o real sem dados estatísticos. Críticas ao subdesenvolvimento do país, que gera a exploração e o contínuo conflito da miséria e o enriquecimento das classes que já são bem estruturadas, fazem a brilhante frase de Furtado se tornar ainda mais memorável:

(…) portanto, a crise que agora aflige nosso povo não decorre apenas do amplo processo de reajustamento que se opera na economia mundial. Em grande medida, ela é o resultado de um impasse que se manifestaria necessariamente em nossa sociedade, a qual pretende reproduzir a cultura material do capitalismo mais avançado privando a grande maioria da população dos meios de vida essenciais. (Reflexões sobre a crise brasileira, página 4).

REFERÊNCIAS


A coluna Território Livre é o seu lugar. Aqui, publicamos textos de pessoas de fora da nossa equipe de Redação. Por isso, o fato de o texto ter sido publicado em nosso site não quer dizer que ele reflete a opinião ou posicionamento do Jornal. Quer publicar algo? Mande um e-mail com seu texto para: jp3@cajmjr.com.br

Postado por Rafael Almeida

Siga o JP3

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3

Mais notícias e informações:

Jornal Prédio 3 – JP3, é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e escreva! Siga-nos no Instagram!