“Os corações, as mãos e os pés das mulheres indígenas também guardam conhecimento e será nós, mulheres indígenas, com nossos corpos que vamos descolonizar essa sociedade brasileira que têm matado a nossa história e a nossa memória” (Célia Xakriabá, integrante do povo Xakriabá).

As demarcações de terras indígenas e políticas públicas são essenciais para garantir a proteção de um povo que foi o nosso primeiro e verdadeiro descobridor, mas o que estamos observando é uma verdadeira partilha a favor de interesses de agricultores e poderosos do campo, em detrimento da preservação indígena, um absurdo com os povos indígenas em todos os níveis.

O “Neocolonialismo Indígena Brasileiro” que está ocorrendo se assemelha ao Neocolonialismo dos séculos XIX e XX, quando as grandes potências colonialistas se uniram para partilhar a África e a Ásia, sem levar em consideração a cultura desses povos, língua, origem, ocasionando inúmeros problemas que tem reflexo até os dias de hoje.

“Líder da tribo Waiãpi é morto por garimpeiros”.

No dia 27 de julho deste ano, indígenas da tribo Waiãpi, localizada no município de Pedra Branca do Amapari (Oeste do Amapá), procuraram as autoridades para relatar a invasão de garimpeiros a suas terras, ocasionando a morte de seu líder Emyra Waiãpi. Esse fato é um retrato do descaso e da desproteção dos índios, com o objetivo explícito de destruí-los como povos, assimilando-os pela força e saqueando suas terras.

“Desmonte na Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI)”

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) é responsável por coordenar e executar a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas e todo o processo de gestão do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SasiSUS) no Sistema Único de Saúde (SUS).

A Medida Provisória (MP) 890, editada pelo presidente Jair Bolsonaro no início de agosto, propõe a criação de uma Agência para o Desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde (ADAPS), a qual, para a comunidade indígena, busca “abrir a atenção primária como mercado para o setor privado”, sem que haja qualquer espaço para a participação e fiscalização das diversas instâncias de controle social do Sistema Único de Saúde (SUS) e nem dos povos indígenas.

Segundo lideranças indígenas essa proposta terá um impacto estruturante na organização e implementação das ações de saúde nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), pois a atuação da Sesai se foca na atenção primária, uma medida que deixa totalmente desamparada a saúde de 305 povos indígenas no Brasil (totalizando aproximadamente 900.000 pessoas).

IMG-20190806-WA0027.jpg

É de graça! Inscreva-se: http://www.alumnidireitomackenzie.com

“O índio e a terra”.

“Nós índios somos como plantas. Como podemos viver sem o nosso solo, sem a nossa terra” (Marta, tribo Guarani).

Os madeireiros, garimpeiros e pecuaristas estão cada vez mais à vontade para cometer atrocidades contra os povos indígenas, incentivados por políticas que não tem a menor preocupação com os povos originários do Brasil.

Desde a colonização os índios sofreram genocídio em grande escala, e a perda da maioria de suas terras. Não podemos fechar os olhos para o povo, do qual, a maioria de nós brasileiros temos descendências, raízes, são a nossa história e nesse momento estão gritando por socorro. SALVEM OS ÍNDIOS!

Faça parte dos Estudantes Voz e Vez! Grupo criado no Mackenzie para participar de uma roda de conversa, sempre com um convidado especial, com temas que geralmente são invisíveis na sociedade. Para fazer a sua inscrição acesse nosso Instagram @vozevezoficial e preencha o formulário de inscrição. Aguardo vocês em nossa próxima história.

Fontes:

https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/137836

https://exame.abril.com.br/brasil/fotos-em-1a-marcha-mulheres-indigenas-protestam-contra-governo-bolsonaro/

http://www.saude.gov.br/sesai

https://survivalbrasil.org/povos/indios-brasileiros

https://www.acritica.com/channels/cotidiano/news/mulheres-indigenas-ocupam-sede-da-sesai-em-brasilia

 

Siga o JP3:

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3

Mais notícias e informações:

***

Jornal Prédio 3 – JP3, é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e escreva! Siga no Instagram!