Por Carlos Roberto Parra

Amanhã é comemorado o dia de ação de graças, o thanksgiving. Muito embora para nós brasileiros a grande importância desse feriado norte-americano resida na tão esperada Black Friday, não é de mal algum valermo-nos do espírito dessa ocasião. Como o próprio nome sugere, o dia de ação de graças é um dia de agradecimento, de olhar para todas as coisas boas – e ruins – que nos cercam e sermos gratos por elas. A história nos conta que o feriado surgiu durante o estabelecimento das primeiras colônias inglesas no território que hoje corresponde aos Estados Unidos, no monte Plymouth, quando os peregrinos – ou puritanos, se preferir – comemoraram, junto com os nativos, a primeira colheita após um longo período de tempo, agradecendo a Deus por isso e comendo peru e todas as outras comidas que se tornaram típicas da época.

Além disso, as férias batem à porta (e eu, particularmente, já abri a minha) e descanso pelo qual tanto ansiávamos finalmente está aí. A meu ver, a combinação perfeita. 2020 não está sendo um ano fácil, todos sabemos disso, mas cá estamos. Alguns de nós sem alguém querido, outros com novas e inesperadas amizades; alguns de nós isolados e sozinhos, outros reunidos à família como nunca; alguns de nós, em última instância, tristes, outros felizes. Mas cá estamos todos. Como Pete Docter escreveu em Divertida Mente: Não morremos hoje, e isso eu chamo de um sucesso sem qualificações. Há muito pelo que ser grato. Eu não quero soar aqui como o “Sr. Positividade” ou fazer parecer que o mundo é um mar de rosas. Ele não é. O mundo é um lugar quebrado, caído, dominado pela maldade e pelo pecado, o mundo tem coronavírus, políticos corruptos e bandidos inescrupulosos. Nunca vi um mar de rosas, mas ele definitivamente não é assim.

Mas o mundo não é o inferno. O mundo tem pessoas que se sacrificam em prol do bem do próximo, pessoas que fazem o bem mesmo que nada as encoraje a fazê-lo, pessoas que amam o próximo. O mundo tem belas paisagens, auroras boreais, cachorrinhos e até mesmo o baby yoda (eu sei que é The Child) em The Mandalorian! O mundo tem Coca-Cola gelada, pizza, comida japonesa, churrasco com pão de alho. O mundo está quebrado, mas não está destruído. Há muito pelo que ser grato. Seja pela vida que nos tem sido preservada ou pela abreviação do sofrimento daqueles que não mais têm que suportar o peso da queda que nos oprime. No fim das contas, a gratidão aponta para o fato de que, mesmo em meio à maldade, há misericórdia e graça divinas que nos dão vida e esperança.

Em Curtindo a Vida Adoidado, Ferris Bueller diz que a vida passa em um piscar de olhos e que se não pararmos para olhar de vez em quando podemos perder tudo. Esse é o momento, então, de parar e olhar ao redor, não para as notícias que nos cercam e atemorizam, mas para o que há de bom no mundo. É o momento de descansar sabendo que o mundo não está sem controle e, sobretudo, que o descanso que aqui experimentamos não é nada perto do descanso eterno. Aproveite o dia de ação de graças para ser grato (nem que seja pelas promoções do dia seguinte), descanse e veja a bondade que se manifesta. Boas férias!

Publicado por Carlos Roberto Parra


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações: 


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe, observe e absorva!