Por Larissa de Matos Vinhado

Um internauta ou integrante da geração Z, certamente, saberão algo sobre a rede social mais aclamada dos últimos tempos: TikTok. O TikTok, também conhecido como Douyin na China, é um aplicativo de mídia para criar e compartilhar vídeos curtos. Atualmente, um dos mais populares no mundo. Pessoas passam horas assistindo aos vídeos da plataforma sem nem perceber, a maioria delas afirma que é impossível administrar a quantidade de tempo perdida dentro dessa rede social, é algo totalmente viciante. Mas, isso ocorre por quê? 

Para começar a entender o porquê de tantas pessoas ficarem horas e horas navegando no aplicativo, é necessário entender como ele funciona. Essencialmente, é uma rede cujos vídeos são bem curtos, a maioria deles são compostos de 15 a 30 segundos. Raramente, encontram-se vídeos de 60 segundos (limite de tempo que o aplicativo concede). Isso difere muito das demais redes sociais, como por exemplo Instagram e Youtube que dificilmente encontrará vídeos com menos de 10 minutos. É necessário entender que a geração alvo dessa rede é a Z, a qual é conhecida pelo seu imediatismo incutido nela e é composta, majoritariamente, de jovens entre 18 a 21 anos. 

Zygmunt Bauman, sociólogo polonês, discorre sobre esse imediatismo presente na modernidade líquida. Ao decorrer de sua teoria, evidencia como as relações atuais são momentâneas, líquidas e efêmeras. Como tudo é direcionado à praticidade, seja em relação às tarefas do dia a dia ou até mesmo no tempo livre em que o lazer sucede. O ser humano contemporâneo é induzido a aderir atos que minimizam sua perda de tempo, visto que cada minuto é precioso para ser gasto de qualquer forma, num mundo tão agitado. 

Por conseguinte, é evidente que diante de uma sociedade pautada no imediatismo, uma rede social que traz a proposta de vídeos curtos teve e terá cada vez mais sucesso. A rapidez dos conteúdos reproduzidos dentro dessa mídia social faz com que gere a sensação de um loop infinito, quanto mais vídeos o indivíduo assiste, mais ele irá assistir. É um ciclo vicioso composto de rapidez e, principalmente, de algoritmos. 

Fato é que a rapidez contribui muito, mas o que de fato é responsável por conquistar a atenção do internauta são os mais temidos do momento: os algoritmos. Mas, afinal, o que são os algoritmos? Os algoritmos usam variáveis e um processo para alcançar um objetivo. “É como quando uma pessoa quer fazer um bolo e leva em conta a receita e as experiências que já teve ao preparar o doce.” Contudo, no processo digital, as decisões são tomadas de forma automática, por meio de software. Essencialmente, é um compilado de variáveis responsáveis por influenciar o internauta, ou seja, fazê-lo consumir algum produto, ora por meio de compras, ora por meio do consumo de redes sociais. 

A grande magia do TikTok é justamente o uso dos algoritmos. Não é necessário procurar por vídeos que te atraem, visto que logo na tela inicial do aplicativo contém um elevado número de vídeos, os quais chegam ao usufruidor da rede, sozinhos. 

Os vídeos são extremamente fáceis de serem acessados, não exigem esforço algum de procura como ocorre em outras redes sociais. Cada usuário recebe uma gama de informações que o agrada, isso por meio do engajamento com o aplicativo, que ocorre através de curtidas, compartilhamentos e até mesmo o tempo que o internauta despende em cada vídeo.

O TikTok identifica um padrão e disponibiliza mais conteúdos semelhantes aos que atraem cada pessoa. Dessa forma, o “For You” que é a página principal do aplicativo onde é possível visualizar todos os vídeos, é produzido, literalmente, “para você”. Todos os vídeos são enviados aos usuários por meio de padrões que vão sendo identificados durante o uso do aplicativo a fim de que seja possível fazer com que o indivíduo fique horas consumindo os vídeos com certa sensação de pertencimento ao aplicativo. Como se de alguma maneira ou outra, a rede social fosse capaz de sintetizar todas as sensações mais importantes da vida de cada sujeito.

É evidente que inúmeros fatos contribuem nesse ciclo vicioso do uso do aplicativo como foi dito durante o texto. Como o fato dos vídeos serem curtos, o que torna difícil o tédio dentro do aplicativo, sendo possível ver centenas de vídeos em um dia e horas depois não lembrar de nenhuma informação consumida ali dentro ou o fato dos conteúdos serem atraentes a cada um, como se o aplicativo fosse ideal para cada pessoa existente no mundo, composto de todas as personalidades e gostos possíveis, aparecendo apenas aquilo que a pessoa desejar.

Logo, tudo contribui para um crescimento da interação entre as pessoas e o aplicativo. Cada função dentro do aplicativo prende de maneira singela o ser humano. Por isso, esse aplicativo vem crescendo de maneira exponencial, tendo conquistado mais de 2 bilhões de usuários em 2020, do mundo inteiro, de acordo com o Tecnoblog, e com a tendência de crescer cada vez mais. Entretanto, as perguntas que fixam na cabeça são: até onde essa manipulação é permitida na vida de cada internauta e qual será o limite do uso desses algoritmos? Quais serão os próximos aplicativos que funcionarão dessa maneira e quais mudanças eles poderão trazer à humanidade? Ficando a reflexão a todos. 

Publicado por Larissa de Matos Vinhado

REFERÊNCIAS: 

[1] Porque O Tik Tok É Tão Viciante. Mozilla Brasil. 2020. Acesso em: 19 de dezembro de 2020. Disponível em:

[2] SILVA, Victor Hugo. TikTok supera 2 bilhões de downloads em todo o mundo. 2020. Acesso em: 19 de dezembro de 2020. Disponível em: https://tecnoblog.net/336485/tiktok-supera-2-bilhoes-de-downloads-em-todo-o-mundo/ 


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações: 


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe, observe e absorva!