1

Gabriella Assalis

gabriellaassalis@hotmail.com

Morte da Marielle Franco. Massacre do Paraisópolis. Intervenção federal na favela do Rio de Janeiro.

Inúmeras notícias como essas diariamente tomam conta da mídias jornalísticas do Brasil.

Coincidência?

A resposta intragável à sociedade é que toda esta violência insurge da atuação letal da polícia nas ruas do país. A letalidade é tamanha que a questão tomou parte na Corte Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH).

O caso que criou caos na Corte foi o aflituoso Mães de Maio, que ocorreu na região de Osasco de São Paulo. Apesar da cobrança do órgão internacional sob as instituições locais, nada parece ter mudado.

O mesmo acontecimento de 2006 continua se repetindo ordinariamente nas comunidades de todo o país. Relatos de agressões físicas, morais e mortes inescrupulosas se tornaram comuns a polícia. E por quê?

Por qual razão pessoas, especificamente de determinados grupos, se sentem tão ameaçadas pelos que teoricamente deveriam ser os seus protetores? Estaria a polícia com medo? Se sim, por quê seu medo é tão seletivo?

A letalidade policial tornou- se um assunto que necessariamente precisa ser combatido, e não somente na esfera estatal, mas obrigatoriamente na desconstrução de um pensamento elitista, racista e autoritário que permeia a mente da sociedade.

Afinal, até quando irá permanecer a ideia de que jovens de comunidade devam ser massacrados por um baile funk enquanto que a elite noturna, pelos mesmos comportamentos, fica isenta de penalização? Se permanecemos assim não teremos apenas um sistema penal falho, mas uma sociedade com um pensamento carente de humanidade.


A coluna Território Livre é o seu lugar. Aqui, publicamos textos de pessoas de fora da nossa equipe de Redação. Por isso, o fato de o texto ter sido publicado em nosso site não quer dizer que ele reflete a opinião ou posicionamento do Jornal. Quer publicar algo? Mande um e-mail com seu texto para: jp3@cajmjr.com.br

Postado por Matheus Melo

Siga o JP3

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3

Mais notícias e informações:

Jornal Prédio 3 – JP3, é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e escreva! Siga-nos no Instagram!