Manual de como identificar as red flags em anúncios de estágio

Por: Redação 

“Red flag”, em tradução livre, significa bandeira vermelha, e é um termo utilizado como indicativo de alerta de perigo. Desde que ingressamos na faculdade, um dos nossos maiores objetivos é conquistar uma boa vaga de estágio, de preferência em escritórios renomados. Para atingir essa meta em meio à alta concorrência, ficamos imersos em atividades extracurriculares, participações em ligas e competições acadêmicas, tudo com o intuito de desenvolver atributos e receber destaque em comparação com os demais candidatos no mercado de trabalho. Após superar todos esses obstáculos e sermos selecionados, é comum entre os estagiários o relato de abusos em ambiente profissional. Por essa razão, nós trouxemos um manual em 4 passos para identificar red flags em anúncios de estágios antes de se candidatar às vagas, e assim, diminuir as chances de estarmos submetidos a abusos após a contratação. 

  1. Utilizar plataformas de avaliação de empresas e escritórios 

Assim como nossos recrutadores, nós devemos buscar avaliações e opiniões de pessoas que frequentaram as empresas e escritórios que nos candidatamos. As duas plataformas mais indicadas para fazer essa pesquisa são o Linkedln e Glassdoor

O Linkedln é uma rede social profissional dedicada à interação com colegas de trabalho e ampliação do networking. Por meio dessa ferramenta é possível verificar as publicações dos colaboradores e a postura da empresa em datas especiais, projetos, infraestrutura, além de ajudar a analisar se a empresa ou escritório efetivamente oferece os benefícios anunciados. 

Já o Glassdoor é ideal para ler relatos sinceros de funcionários e ex-funcionários com respaldo no anonimato. Essa plataforma possibilita que os colaboradores tenham espaço para fazer avaliações contando suas experiências, prós e contras, com opção para classificar em até cinco estrelas tópicos como cultura e valores da empresa, diversidade e inclusão, qualidade de vida, liderança, remuneração e benefícios no ambiente corporativo. Os relatos são organizados por datas e cargos. Há, ainda, a opção de verificar a média de salários para cada cargo, e saber em detalhes como as entrevistas de emprego são conduzidas. 

Conforme demonstra o exemplo da timeline dedicada para avaliação dos funcionários da Universidade Presbiteriana Mackenzie: 

  1. Analisar se o intuito da empresa se alinha com seus propósitos 

Normalmente, todo estudante que ingressa nos primeiros semestres do curso buscam oportunidades de estágio para complementar a renda, e um dos maiores impasses enfrentados pelos estudantes de direito são os requisitos que não coincidem com o perfil dos novos alunos em começo de carreira. E é comum encontrarmos nos anúncios a exigência de os estudantes estarem cursando a partir do terceiro ano do curso. Isso significa, em grande maioria, que os contratantes buscam estagiários com uma base teórica que os possibilita ter certa autonomia nas atividades do estágio. Apesar de ser visto com maus olhos entre os candidatos, é uma exigência justificável. 

Nesse ponto, devemos olhar com desconfiança os anunciantes que dão preferência aos estudantes que estejam cursando até o segundo ano do curso. Há chances de estarem buscando apenas o que é conhecido como “mico administrativo” — em referência à espécie de macaco de pequeno porte utilizados para auxiliar mágicos em suas apresentações de circo —, ou seja, com a vantagem de os estudantes estarem iniciando o curso e não conseguirem conduzir as atividades mais complexas sem constante acompanhamento de um profissional com experiência, os escritórios podem buscar por esse perfil justamente para exercer atividades como atendimento telefônico, organização de documentos, constantes diligências externas, que dispensam maiores treinamentos, e em contrapartida retarda o aprendizado dos estagiários  na elaboração de petições e tarefas mais complexas da profissão. Esse aspecto não é um problema, desde que o estudante esteja ciente do seu papel, e, principalmente, que concilie com seu propósito. 

Se o intuito ao se candidatar para uma vaga de estágio é, mais que exercer as funções administrativas, aprender efetivamente como elaborar peças e lidar com questões que necessariamente requerem maiores responsabilidades, vale a pena olhar com atenção aos requisitos e descrição das vagas, bem como confirmar com o entrevistador as tarefas realizadas no dia a dia. Além disso, é possível considerar dar uma chance ao trabalho voluntário em Assistências Jurídicas das faculdades de Direito em convênio com a Defensoria Pública. 

Na Universidade Presbiteriana Mackenzie temos oportunidade de estágio voluntário desde o primeiro semestre da faculdade na Assistência Judiciária João Mendes. Todos os editais do processo seletivo são divulgados pelo JP3. 

  1. Ater-se aos benefícios da vaga 

Os benefícios da vaga são um dos pontos mais importantes durante a avaliação de um anúncio de qualquer emprego. É por meio deles que podemos calcular a estimativa de permanência dos funcionários na empresa ou no escritório. Os dois benefícios básicos são o Vale Transporte e o Vale Refeição. Caso um desses dois não seja oferecido, é preciso analisar com cuidado se vale a pena aceitar a proposta ou estudar novas oportunidades. 

Nesse sentido, pesquisas divulgadas pela Universidade de Warwick, do Reino Unido, revelam que funcionários satisfeitos com seus benefícios são 12% mais produtivos. Já estudos realizados pela Universidade da Califórnia demonstram que as empresas aumentam a performance em até 37% quando os funcionários estão satisfeitos com as condições de trabalho. Essas estatísticas evidenciam o impacto positivo na vida, e consequentemente, na produtividade dos colaboradores. 

Essa ideia é também reforçada pelos maiores escritórios de advocacia do Brasil, que lideram o ranking de bom desempenho a cada ano. Apesar de terem um processo seletivo rigoroso, os benefícios oferecidos por esses escritórios se destacam, como plano de saúde, gym pass, folga no dia do aniversário, happy hour, e diversas outras vantagens que melhoram a qualidade de vida dos funcionários. 

  1. Verificar a recorrência do escritório nas postagem da página “Escritórios Expostos

A página do Instagram “Escritórios Expostos” (instagram.com/escritoriosexpostos ou @escritoriosexpostos) foi criada, conforme os próprios administradores definem, com o intuito de “informar sobre escritórios de advocacia que não respeitam seus estagiários e advogados”. Constantemente são publicados relatos da experiência de abusos sofridos nesses escritórios, e até mesmo em alguns órgãos públicos. 

Assim como o Glassdoor, essa página de cunho informal, mas com alta relevância social, possibilita que os estagiários e advogados relatem suas experiências de assédio moral e violações da lei de estágio nos escritórios, alertando os candidatos. É possível identificar os escritórios que lideram o número de denúncias e recebem uma pasta de destaque no topo do perfil. 

Publicado por Naiara Oliveira

Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


O Jornal Prédio 3 – JP3, fundado em 2017, é o periódico on-line dos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie, organizado por alunos do curso e com contribuição de toda a comunidade acadêmica mackenzista. Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: