Chuva de verão

Por Vitória Cruz

São três horas da tarde e ela resolve tomar um banho, daqueles bem demorados, do tipo que lava até a alma. Cansada da correria do final de ano, dos dias e noites em claro escrevendo em frente ao computador, ela está exausta. A água quente escorre pelos nós do cabelo e pelas curvas do corpo, contornando cada centímetro quadrado de puro cansaço.

Lá fora, o céu chora. As nuvens parecem estar em um infinito carrossel melancólico, já que a garoa não para de cair. As gotas que acertam o mármore da sacada respingam na janela do quarto e escorrem, apostando corrida para ver quem chega ao chão primeiro. Chora porque é verão,  tempo de chuva. Hidratam a terra seca e as folhas das árvores. O perfume de gardênia penetra as pequenas gotas penduradas nos telhados.

Na rua desnivelada, bolsões de água corrente  tornam-se mares inexplorados para os olhos arregalados do gato preto que espia  tudo do alto. Seu pelo macio está ensopado, mas ele não se move. Permanece estático, encantado com a oscilação das pequenas ondas contra o litoral rochoso. O focinho cor de rosa acompanha a dança ritmada, e ele nem ousa piscar. Não quer perder de vista a superfície translúcida que se sacode com a garoa.

Do alto da casa, um par de olhos curiosos examina o dia nublado. O cabelo ainda úmido do banho, os óculos apoiados no nariz, pés descalços e um livro em mãos. Ela serpenteia pelo quarto até sentar na cama mal feita, aninhar-se  nos cobertores e retomar a leitura da semana passada. O pobre livro tem  poeira acumulada na capa. Passam-se as horas. A chuva não cessa. Aos poucos, descolam da atmosfera pequenos estilhaços gelados. Uma redoma quebrada, como um globo de neve estilhaçado no chão. 

O barulho a distrai. Seu foco já não são as palavras nas folhas de papel. Em um pulo, ela levanta e caminha até a janela entreaberta. Um brilho diferente atravessa as pálpebras da garota, é como um relâmpago cruzando o céu. Maravilhada com a simples chuva de granizo, estende a mão para fora e agarra uma lasca de vidro que rasga sua pele.

O sangue escorre pelo braço e atinge a varanda de pedra branca, agora lavada de vermelho vivo. Ela sorri, apesar da dor. O tempo para e sua mente desacelera. Ela se sente viva. “Ah, eu me cortei” –  as palavras também escorrem da sua boca, acompanhadas de uma risada fraca, do tipo que lava até a alma. Enquanto caminha até o banheiro, as gotas caem como a própria chuva e pintam de carmesim o chão de madeira – “Que bagunça… eu limpo depois”. 

O gato, curioso por natureza, desperta do seu transe e caminha cuidadosamente  pelas telhas úmidas. Chega até a varanda e se senta. Espera  por ela. Com a mão já enfaixada, a garota se acomoda ao lado dele e o acaricia enquanto aperta com força o último pedacinho de gelo em sua mão cortada. O cabelo está colado na testa por conta da chuva, mas não faz mal. Permanecem estáticos, encantados com uma simples chuva de verão.

Publicado por Vitória Cruz

Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: