O Tribunal da Internet

Por Fernanda Vanetti

Atualmente, as redes sociais são o principal meio de comunicação e de acesso à informação (e desinformação) utilizado pelas pessoas, de modo que as opiniões expressas no meio digital são potencializadas, tomando um alcance e importância desproporcionais. Através da internet, diversos indivíduos ao se depararem com uma determinada notícia de acusação, sentem-se no direito de expressar publicamente seu julgamento pessoal sobre o caso, mesmo que sem nenhum embasamento ou conhecimento na área. Muitos, inclusive, beneficiam-se do anonimato que as mídias sociais podem proporcionar para destilar discursos de ódio e ameaças aos supostos culpados de maneira impune. Esse conjunto de pessoas faz parte do chamado Tribunal da Internet, grupo este que movimenta a cultura do cancelamento.

No direito brasileiro, quando há uma acusação de prática ilícita, é necessário que ocorra um devido processo legal, a fim de que haja uma punição ou absolvição fundamentada e justa. Para que isso aconteça, é essencial que os princípios de presunção da inocência, ampla defesa e contraditório sejam assegurados. Desse modo, em nosso ordenamento jurídico, todo acusado é considerado inocente enquanto não for legalmente comprovado o oposto e, em caso de dúvida da culpabilidade do réu, este deve ser absolvido (in dubio pro reo). Além disso, o acusado pode utilizar de todos os meios e recursos juridicamente possíveis para se defender dentro do processo, possuindo também o direito de se manifestar contrariamente às alegações da outra parte. Assim, nos “tribunais da vida real”, o réu dispõe de garantias constitucionais para que se alcance a justiça plena na resolução de conflitos.

Em contrapartida, na cultura do cancelamento, as “sentenças condenatórias” possuem caráter imediato, de tal forma que quando uma personalidade ou empresa é incriminada de cometer uma atitude reprovável, no momento que essa suposta conduta é exposta e antes mesmo da figura pública ser ouvida, já é sentenciado seu cancelamento pelo Tribunal da Internet. Dessa maneira, nas redes sociais a condenação antecede a defesa, não sendo assegurado sequer o exercício do contraditório. Percebe-se, portanto, que ao contrário da jurisdição brasileira, o julgamento na internet se baseia no princípio da presunção da culpabilidade, fazendo com que todo acusado seja considerado culpado até que se prove o contrário.  Essa conduta, entretanto, pode ser extremamente prejudicial, uma vez que ao buscar promover a justiça com as próprias mãos, o Tribunal da Internet exerce o inverso, estimulando reações e punições desproporcionais à conduta imoral cometida. Na realidade, a cultura do cancelamento incentiva ações completamente injustas, antiéticas e até mesmo criminosas, como linchamento, discurso de ódio, intolerância, polarização e ameaças.

Um claro exemplo de como o Tribunal da Internet e a cultura do cancelamento atuam ocorreu na disputa judicial entre o ator Johnny Depp e sua ex-esposa, Amber Heard. Em 2018, quando a atriz publicou um artigo alegando ter sofrido violência doméstica e sexual, Depp foi imediatamente cancelado pelo público e sua carreira seriamente prejudicada, perdendo uma série de papéis em Hollywood, como Piratas do Caribe e Animais Fantásticos. Entretanto, assim que o ator processou a ex-mulher por difamação, ficou óbvio, logo nos primeiros dias de julgamento, que a internet estava a favor de Johnny Depp, e que Amber era a cancelada da vez. Antes mesmo do júri dar seu veredito, a atriz sofreu inúmeros ataques e ridicularizações, uma vez que já era consenso para o Tribunal da Internet que a atriz estava mentindo. 

Nesse contexto, verifica-se que o imediatismo do julgamento nas mídias sociais, faz com que suas “sentenças” sejam altamente voláteis, desproporcionais e principalmente injustas. A cultura do cancelamento inviabiliza qualquer tipo de defesa, promovendo apenas a punição e exclusão do acusado, e o Tribunal da Internet trata-se de uma maneira completamente ineficaz e nociva de alcançar justiça.  Levando isso em conta, percebe-se a importância de um devido processo legal na resolução de conflitos, já que no “tribunal da vida real”, além de uma punição ou absolvição justa, existe também a possibilidade de haver uma reflexão e um aprendizado sobre a conduta julgada. 

Fontes:

O “Tribunal da Internet” e os efeitos da cultura do cancelamento. Publicado no Migalhas, em 30/07/2020 

No tribunal da internet, Johnny Depp vai de cancelado a “vítima” absolvida. Publicado na Veja, em 10/05/2022 

Publicado por Fernanda Vanetti


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s