O número da sorte contra a homofobia, 17/05

Por Luisa Fernandes de Jesus

O dia 17 de maio é considerado o Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia.

É importante contextualizar que, no dia 17 de maio de 1990, a OMS removeu a homossexualidade do cadastro estatístico internacional de doenças (CID) e da classificação relativa a problemas relacionados à saúde.

Dessa forma, essa data foi registrada internacionalmente para ser tida como uma oportunidade para as organizações apoiarem as causas LGBTQIAP+.

Assim, promove-se os direitos e atenta-se a outras pautas da comunidade.

No entanto, essa remoção ainda repercute nos dias atuais, como com a fala do então atual presidente Jair Bolsonaro, que crê em uma espécie de “cura gay”.

Cabe ressaltar que o amor da comunidade LGBTQIAP+ não é e nunca foi doença. Pelo contrário, esse amor é cura!!!🏳️‍🌈🏳️‍⚧️

Para mais, houveram, ainda, discursos dessa autoridade querendo classificar como “equivocada” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) do dia 14 de junho de 2019, a qual criminalizou a homofobia e lhe deu tratamento legal como uma forma de racismo.

Tal argumento se baseia na declaração da Corte de que havia omissão do Congresso em aprovar a matéria, e determinou que casos de agressões contra o público LGBTQIAP+ sejam enquadrados como crime de racismo até que uma norma específica seja aprovada pelo Poder Legislativo.

Ainda, somente em 8 de maio de 2020 o STF derrubou a restrição que proibia homossexuais de doarem sangue. A votação considerou discriminatórias as regras da Anvisa e do Ministério de Saúde que vetavam o ato e as tornou inconstitucionais. O tema já era discutido há anos e o julgamento em si teve início em 2017, quando foi interrompido por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Tendo esses fatos em vista,  podemos mencionar que a comunidade precisa de muitas melhorias até que esteja realmente segura, não somente pela questão cultural e social da destruição do sistema heteronormativo, mas também como com a criação de uma tipificação própria para julgar seus casos de homofobia e transfobia, tal como com qualquer forma de preconceito, ódio e discriminação.

Assim, busca-se que pessoas LGBTQIAP+ se sintam acolhides por direitos, pela sociedade e pelo todo.

Logo, podemos usar essa data tanto para celebrar o que já foi feito, como também para lembrar o quanto ainda temos para caminhar.

Com luta, amor e resistência,

Coletivo Cassandra Rios.

Publicado por Vitória Cruz


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s