As sequelas produzidas pela reforma protestante nos âmbitos sociais

Por Isabela da Silva Aquino

O contexto histórico representado na época, antecedente à reforma protestante, se caracterizava pela centralização do poder dos monarcas em sinergia com a Igreja católica, nomeando-se Estado Nacional Absolutista. Logo, o descontentamento popular, principalmente voltado à classe camponesa, era grande, afinal recolhiam impostos e taxas representada pelos dízimos. O clero fazia uso da sua autoridade para obter privilégios e a vender  cargos da Igreja, uma prática chamada de “simonia” .

A reforma protestante foi iniciada por Martinho Lutero, crítico e questionador a respeito de práticas apregoadas pela igreja católica, e caracterizada pela transformação religiosa da época moderna, pois rompeu a unidade do cristianismo no Ocidente, ou seja, ganhou-se notoriedade ao entrar em conflito com os ideais defendidos pela igreja católica. Em 1517, revoltado com a venda de indulgências realizada pelo dominicano João Tetzel, Lutero escreveu um documento com 95 pontos criticando a Igreja e o próprio papa. Em sua concepção, a fé era o único elemento fundamental para a salvação dos indivíduos.

Importante lembrar que este movimento ganha relevância em diversos âmbitos sociais, como na educação, trazendo valorização ao conhecimento, e fundamentos a respeito de princípios e valores, gerando assim, movimentos e criações de escolas e universidades.

Interessante notar o meio artístico, pois a análise do estilo da arte, da arquitetura e da cultura (definição de antropologia)  foi sendo estudada e realizada no cenário da época em que ocorreu a reforma protestante. Evidencia-se a permissão dos questionamentos em que os próprios protestantes faziam jus e aplicavam a própria interpretação da bíblia, na qual  relata a cultura do povo em que proibia os trabalhos aos sábados. A figura de Jesus por sua vez ultrapassa os limites estabelecidos daquele padrão social, para assim, praticar seus milagres e curas, logo, entende-se que o cristianismo se faz uma cultura à parte, pois se faz acima da mesma e permite a criação de paradoxos da cultura local. 

Como em vários campos, a reforma protestante modificou a própria concepção de ciência, usando a mesma para revelar a sua fé. Alguns  dos cientistas que representaram esse período foram: Isaac Newton, Mendel e Einstein, sendo julgados pela própria crença, mas trabalhando para provar as evidências que de alguma forma a fé revelava uma visão de mundo específica a partir da cosmovisão.

No mundo jurídico, houve o aperfeiçoamento e a aplicação de práticas que encontramos nos ramos do Direito civil, Direito constitucional,  Direito internacional, como também no Direito tributário,  como por exemplo, voltado às questões de impostos e formas de organização social.

A visão transformada para o meio econômico, trouxe uma revelação de que ter dinheiro e consequentemente prosperar, não havia mal algum, em outras palavras, não era “pecado”. João Calvino afirma que, o trabalho não era mais considerado como castigo, como acreditava na época medieval, agora, o trabalho era considerado uma benção, gerando assim um espírito capitalista e favorecendo a economia de todos os países.

A ética social entra em pauta, pois está presente a criação das ideias de cooperativas, sindicatos e principalmente a união de pessoas que possuem o mesmo objetivo para assim buscar um bem comum.

Na literatura sendo impulsionada por escritores reformados como por exemplo o grande dramaturgo Shakespeare. E por fim, no âmbito político deu-se início à cosmovisão reformada, transfigurando assim a visão retrógrada da sociedade como um todo, e evoluindo em ideias revolucionárias, que um dia teve força para reverter tradições e costumes da época.

Publicado por Isabela da Silva Aquino


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico online dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e fique em casa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s