Thiago Henrique da Costa

 

Resultado de imagem para rio de janeiro violencia

Algumas semanas atrás, durante um ou dois goles de cerveja em um bar da cidade, entre uma ou duas conversas a respeito de cultura, estética, estilo de vida e colonização, surgiu a seguinte frase – que já foi lida e ouvida por mim outras vezes, entre bares e redes sociais:

O Brazil está matando o Brasil

Este aforismo, embora de alguma forma impactante e de outra forma poético, também caberia facilmente em uma página do facebook chamada: “crítica social foda”, quem conhece a página saberá o porquê, quem não conhece pode ter a oportunidade de dar algumas risadas.

A frase se mostra de alguma forma batida ou, sendo exagerado, brega. Porque ela nos remete a uma mentalidade muito comum dos anos 60-70. Um momento em que o Brasil vivia uma inundação de cultura pop norte-americana, uma ditadura empresarial-militar e movimentos de contracultura que, sobretudo na música, procuravam valorizar a cultura popular nacional, ainda que no suporte de uma guitarra elétrica ou o sono tranquilo da bossa nova.

E por que a ideia de uma valorização de um sentimento nacional e republicano, de uma identidade cultural que seria supostamente comum a todos os brasileiros, com S, e que faria oposição à cultura idiotizante dos Estados Unidos da América, seria hoje um pensamento ultrapassado?

O Brasil é um país que, assim como muitos outros na América do Sul, África e Ásia, viveu a experiência do colonialismo. Vale lembrar que o nome do nosso país é derivado da principal mercadoria extraída na gestação da colonização dessas terras. Se observamos as independências dos países africanos, durante o processo foi muito comum alguns países trocarem de nome com o intuito de deixar o passado colonial para trás, isso não aconteceu conosco, mas trocamos o Z pelo S.

Conheçam a história de Burkina Faso.

O Brasil, essa nação absolutamente caracterizada por suas desigualdades, fundamentada na escravidão, não nos fornece laços de tradição e uma cultura popular que permeia a todos que aqui vivem, não, Brasil é, desde a cana-de-açúcar uma grande máquina de moer gente e de enriquecimento do autointitulado mundo civilizado.

O Brazil não está matando o Brasil, o Brasil, com S mesmo, está matando Ágatha.

Resultado de imagem para afromack

 

Siga o JP3

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3

Mais notícias e informações: 

Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e escreva!