“Oil of Every Pearl’s Un-Insides” — A criação de um novo mundo no ativismo de Sophie

Por Carolina Felix

Nas mais variadas esferas do gênero hyperpop e na música experimental — espaços majoritariamente compostos por artistas da comunidade LGBTQIA+ que, através de expressões artísticas não convencionais, confrontam os parâmetros da cisheteronormatividade — a cantora e produtora Sophie Xeon definitivamente se tornou uma das mais influentes figuras, consolidando como eterna uma discografia original, desafiadora e, ao mesmo tempo,  reconfortante.  

Ainda nos primeiros anos de carreira, a criatividade e ousadia dos singles promocionais produzidos por Sophie foram o suficiente para chamar a atenção da crítica e de artistas representantes do selo PC Music ou, ainda, do mainstream pop, como Madonna e a rapper Nicki Minaj. No entanto, a aclamação dentro da indústria aumentou gradativamente a partir do lançamento do Oil of Every Pearl’s Un-Insides — primeiro e único álbum de estúdio da cantora, lançado em junho de 2018.

A notoriedade não tardou em chegar ainda no ano de lançamento do álbum de estreia. Com a classificação de 86% no Metascore e o título de “Best New Music” no Pitchfork — ambos veículos midiáticos de publicação de crítica musical — tornou-se mais do que claro que a Sophie viria a ser uma das mais requisitadas produtoras da atualidade. E não parou por aí, além da ótima colocação na Billboard dentro do gênero proposto, a cantora ainda concorreu ao Grammy Awards, marcando a conquista de ser a primeira mulher trans indicada ao prêmio.

A aclamação imediata de Sophie tem, pois, um motivo explícito: a visionariedade das suas produções. No referido álbum, ela se fez de diversas técnicas irregulares, vozes carregadas e ruídos invasores que se encontram e transcendem de forma uníssona em uma melodia sofisticada e hipercinética. E, ainda que a arquitetura torta das composições experimentais seja impactante de início, qualquer indivíduo que se permita emergir na dimensão construída por Sophie compreende a densa carga de humanidade sobreposta por uma faceta robotizada e um misto de vozes computadorizadas. 

O título de escolha pela artista é uma tiocidade de “I love every person’s insides” — traduzido para o português como “eu amo o interior de cada pessoa” — logo, as faixas refletem as angústias escondidas no interior de cada ouvinte, cumprindo com o propósito do experimental em explorar amplamente as emoções do público,  ao passo que enfrenta os paradigmas normativos da produção artística contemporânea. Todavia, a peculiaridade no presente álbum foi exprimir, por meio da serenidade dos tons de voz utilizados pela cantora e dos toques sintéticos do Bubblegum Pop, um ambiente propenso para se deixar ser vulnerável e aceitar o reconforto do escape para uma nova realidade. 

Cada faixa figura em si uma nova e singular parte desta dimensão criativa, valendo-se de uma transformação contínua que caracteriza a construção visual da artista. Mesmo com os toques caricatos e particulares da sua arte, Sophie provou que uma produção personalíssima pode ser ao mesmo tempo misteriosa, utilizando, em diversos momentos da carreira, das mais criativas maneiras de modificar sua voz e rosto, não se limitando a apenas uma identidade visual e não se conformando apenas à expressão de um gênero. Trata-se, portanto, de uma relação de libertação de uma reclusão identitária, a fim do alcance de um mundo alternativo, o qual ela concretiza de maneira caótica, mas progressiva, com a última faixa “Whole New World/Pretend World”

A revolução político-social na arte de Sophie está, diante disso, intrinsecamente relacionada com a visibilidade das discussões de identidade de gênero e na defesa dos direitos da comunidade LGBTQIA+. Frequentemente, a escocesa expunha as realidades da vivência transgênero, denunciando as dificuldades na tentativa pelo alcance da igualdade, o que a consolidou como um ícone da libertação, graças à sua música e às suas palavras. 

Ante o exposto, não existem empecilhos para constatar que Oil of Every Pearl’s Un-Insides foi um dos melhores, senão o mais complexo, álbuns de estúdio lançados no ano de 2018. A minuciosa mesclagem entre a leveza do soft pop e os ruídos metálicos da PC Music convergiram para uma distopia desorientadora, mas estranhamente revigorante, que refletem a extraordinariedade da artista e pessoa que foi Sophie Xeon.

O falecimento da cantora em janeiro do último ano marcou, indiscutivelmente, uma enorme perda para a indústria da música e para a sociedade como um todo. Porém, não restam dúvidas de que a entidade Sophie está eternizada na genialidade de sua discografia e em uma formação mutável de identidade. Sophie será lembrada com muito respeito e carinho por uma legião de fãs que admiravam, sobretudo, o quão humana ela conseguiu ser por trás de uma máscara tecnológica. 

Publicado por Carolina Felix


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s