Por Julia Monteiro Nalles

No dia 27 de outubro, o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) notificou a Apple sobre uma recente decisão da empresa norte americana relacionada com a venda dos produtos.

A notificação diz respeito ao fato de a empresa não mais incluir adaptador de tomada nas vendas de celulares, de modo que os consumidores tenham que adquirir o item separadamente. Segundo a Apple, a justificativa para tal medida seria atender aos seus objetivos ambientais.

Apesar do cabo poder ser conectado em outros dispositivos com o fim do carregamento de bateria, não sendo totalmente necessário o adaptador de tomada, isso também passou a representar um problema. Isso porque a mudança não foi simplesmente a remoção do adaptador, mas também fazer com que todo celular comprado seja acompanhado de um cabo USB-C, que só é compatível com os modelos mais recentes. Assim, os modelos antigos são vendidos separados de qualquer ferramenta útil para o seu carregamento. O Procon solicitou explicações sobre a retirada dos adaptadores, visto que caso o consumidor não tenha meios de carregar o seu celular, a funcionalidade do aparelho fica – por óbvio – comprometida.

Essa não é a primeira vez que a Apple gera certo tumulto sobre uma decisão eticamente questionável. Em 2016, com o lançamento do IPhone 7, foi oficialmente retirada a tradicional entrada para fones, presente não só em todos os aparelhos da marca até então, mas também muito comum em outros dispositivos. Apesar de o novo celular vir acompanhado do novo modelo de fone, muitos consumidores precisaram de um adaptador (atualmente vendido por R$99,00 na loja oficial), afinal fones quebram ou se perdem e os que todos tinham em suas casas eram do modelo antigo. Com isso, a empresa não apenas lucrou com a venda de adaptadores (causar a doença para vender o remédio), mas também tornou mais difícil a utilização de fones que não fossem da marca, visto que a entrada antiga era mais comum.

A mudança de 2016 não teria causado tanta controvérsia se ocorrida para melhorar a experiência dos usuários. Entretanto, não pareceu haver uma justificativa coerente para a alteração; ao contrário, o novo modelo de celular impossibilitou usar um fone com fio e carregar o aparelho concomitantemente. Isso, é claro, passou a incomodar os usuários de modo que muitos acabaram investindo na compra dos famosos AirPods, os fones de ouvido sem fio da Apple (o menor preço, no site oficial, hoje, é R$ 1.899,00).

Tais formas de, sutilmente, fazer modificações para pressionar os consumidores a adquirirem um novo produto da marca, que não é conhecida por ter preços acessíveis, gera uma atmosfera, para dizer o mínimo, desconfortável. Esse tipo de prática contribui para que os consumidores não confiem na empresa e tenham uma imagem negativa dela, mesmo que continuem consumindo.

Apesar de polêmico, esse tipo de comportamento não é ilegal. Entretanto, a recente notificação do Procon pode ser um indicador de que, dessa vez, a empresa tenha ido longe demais ao tornar o funcionamento do produto algo que não é garantido com a compra do próprio produto.

Fontes

Apple é notificada pelo Procon-SP sobre iPhones sem carregador

A polêmica sobre a decisão da Apple de acabar com a conexão para fones de ouvidos tradicionais do novo iPhone

Publicado por Julia Monteiro Nalles


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações: 


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe, observe e absorva!