Por Larissa de Matos Vinhado

Prezados mackenzistas, hoje temos o privilégio de trazer um pouco sobre a trajetória da Professora Helisane Mahlke, sempre atenciosa e muito amada pelos alunos da UPM. Atualmente, ela leciona Ciência Política e Direito Internacional na Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Doutora em Direito Internacional pela Universidade de São Paulo e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tem experiência na área de Direito Internacional, Direitos Humanos e Relações Internacionais, Bilaterais e Multilaterais. Helisane Mahlke é ainda co-coordenadora do Grupo de Estudos Immigrare (Mackenzie) e, também, membro da International Law Association – Ramo Brasileiro.

Além de um currículo incrível, leciona matérias e aulas esplêndidas na Faculdade de Direito da UPM. Como aluna de Ciência Política, posso afirmar com propriedade que suas aulas são extremamente embasadas e têm um dos materiais de apoio mais impecáveis da faculdade, composto por livros clássicos e atemporais. 

Mas, honestamente, o melhor de suas aulas, com certeza, é a presença de Luke Skywalker Malhke, seu cachorrinho, que é capaz de deixar todas as aulas melhores, principalmente agora no contexto pandêmico em que o distanciamento tomou conta de todas relações humanas. Luke, através de seus latidos e fofura, traz às aulas um quentinho diferente aos corações dos alunos, repleto de amor e esperança. Entre latidos, Luke é capaz de nos dizer: que a força esteja com todos. 

Uma das principais qualidades de Helisane Mahlke, é que suas habilidades não se restringem apenas às salas de aula. Ela é, ainda, autora do livro Direito Internacional dos Refugiados: Novo Paradigma Jurídico, lançado em 2017. O livro discorre sobre como o modelo existente de proteção aos refugiados demonstrou ser insuficiente diante dos desafios atuais impostos pela complexidade da mobilidade humana e o agravamento de conflitos em várias regiões do globo, que têm provocado um deslocamento em massa de seres humanos sem precedentes. Tal modelo, nacionalista e anacrônico, compreende o refúgio como parte da política estatal e, portanto, sujeito aos interesses do Estado, que respondem unilateralmente estabelecendo políticas restritivas e violando os direitos humanos daqueles que buscam refúgio. Por outro lado, as Cortes Internacionais têm atuado como instrumentos de interpretação e aplicação das normas sobre refúgio, estabelecendo um novo paradigma jusinternacionalista sobre o Direito Internacional dos Refugiados, que o considera como parte integrante dos ramo Internacional dos Direitos Humanos e reconhece o papel das Cortes Internacionais como intérpretes deste direito. Essa perspectiva, abordada nesta obra, demonstra as implicações teóricas e jurídicas desse novo paradigma na responsabilidade internacional do Estado na proteção dos direitos humanos daqueles que buscam o refúgio.

Atualmente, a Professora conta com sua página no Instagram @helisanemahlke, em que posta diversos conteúdos de Direito e, recentemente, chegou a realizar uma live imperdível comentando sobre um dos assuntos mais aclamados pela mídia nos últimos dias: eleições dos Estados Unidos da América. 

Para encerrar a matéria da melhor maneira possível, o JP3 entrou em contato com a Professora e realizou uma entrevista a fim de que todos os mackenzistas e futuros mackenzistas pudessem a conhecer profundamente. 

JP3:  Em que momento da sua vida veio a decisão de lecionar? Quais são as matérias que a Dra. leciona atualmente? 

PROF.ª HELISANE: Sempre quis ser Professora, desde as minhas brincadeiras de infância, quando dava aula para minhas bonecas, rsrs. Tive excelentes Professores na Escola e duas irmãs também Professoras, isso sem dúvida influenciou minha escolha. Sempre me dediquei exclusivamente à Academia desde quando terminei o Mestrado. Claro que como toda pessoa jovem, durante a faculdade, tive minhas dúvidas profissionais, mas elas acabaram quando entrei em uma sala de aula pela primeira vez, em 2008. 

Leciono as Disciplinas de Direito Internacional Público e Ciência Política, atualmente, na Faculdade Direito da Mackenzie. Mas, na minha vida profissional já lecionei disciplinas de Relações Internacionais e Direitos Humanos.

JP3: Seu sonho sempre foi lecionar? Como foi a primeira experiência dando aulas e quais dicas a Dra. acha interessante dar aos que pretendem, futuramente, lecionar? 

PROF.ª HELISANE: Sim, mas levou um tempo para eu descobrir e reconhecer isso, quando adulta. Não é comum, em especial na área do Direito, alguém se dedicar exclusivamente à Pesquisa e à Docência.

Como toda profissional em início de carreira, claro que fiquei insegura. Mas, a satisfação em estar em sala de aula era tão grande, que aos poucos, fui superando a insegurança e aprimorando a arte de ensinar.

Para aqueles que, futuramente pretendem seguir esse caminho, recomendo, sobretudo, amor ao conhecimento, acima de qualquer coisa. O conhecimento é nossa ferramenta de trabalho e ele sempre deve prevalecer. O Direito é uma “Ciência Social” e como tal deve ser tratada, para o bem da comunidade. Recomendo ética, na condução do seu trabalho, no respeito aos colegas e na produção do conhecimento, sempre pensando no bem comum e como podemos contribuir com a sociedade da qual fazemos parte. A Academia precisa sempre compreender e reafirmar seu papel importante na construção de uma sociedade melhor e mais justa. Por fim, recomendo amor à educação e às pessoas, pois educar é uma atividade humana de reconhecimento e compreensão recíproca, de aprendizado mútuo e construção contínua e conjunta. Educar é, antes de tudo, sobre pessoas! 

JP3: Na sua percepção, qual a importância da Ciência Política para o acadêmico de Direito? 

PROF.ª HELISANE: A Ciência Política é uma das Disciplinas propedêuticas, como sempre digo aos alunos e alunas, essas Disciplinas fazem parte de um conjunto de conhecimentos necessários para compor o alicerce a partir do qual se constrói o conhecimento jurídico. A relação entre Direito e Política é intrínseca, não apenas porque é a partir do processo legislativo que as leis são elaboradas, mas também, porque a Ciência Política nos ajuda a compreender a conexão entre o Direito e as relações de poder na sociedade, as quais estão na gênese do conhecimento jurídico. 

JP3: Quais foram as mudanças mais significativas no Direito Internacional e quais são as principais tendências para essa área num futuro próximo, não só no Brasil, bem como ao redor do mundo? 

PROF.ª HELISANE: O Direito Internacional está sempre em expansão e sua importância cresce na medida em que os movimentos transnacionais também se intensificam. Além disso, temas globais/universais importantes como direitos humanos, meio-ambiente, o comércio internacional, que afetam a todos os povos, necessitam de uma governança global. Sendo assim, suas normas e Instituições são fundamentais para gerir tais questões, que necessitam da cooperação internacional. O Direito Internacional não é um ramo do Direito em si, mas uma dimensão dele, que influencia o sistema jurídico como um todo, por isso seu conhecimento é imprescindível para qualquer jurista.

Que a força esteja com todos nós!

Publicado por Larissa de Matos Vinhado


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações: 


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe, observe e absorva!