Nostalgia: salvação ou escapismo? 

 por Gabriela Ferro

O dicionário define “nostalgia” como uma sensação de saudade, seja de uma pessoa, de um lugar ou de uma situação vivida. Essa sensação foi intensificada durante a pandemia e, atualmente, no contexto pós-pandêmico, ela ressurgiu. A nostalgia veio como consequência desse contexto e, tardiamente, como uma forma de sobreviver a ele, sendo tanto um modo de gerar conforto quanto de buscar um tempo que já passou.

Nesse cenário, a pandemia, instaurada no início de 2020 no Brasil, representa dois anos de inúmeras dificuldades, tanto para o país quanto para a população em geral. Nós não somente enfrentamos problemas de saúde causados pelo Covid-19 como enfrentamos problemas sociais gerados pelo isolamento social, e a solidão foi o mais predominante. Dessa forma, a nostalgia surgiu como um meio de suportar essa sensação de reclusão, o que é normal dado o contexto do mundo nesse período. Acerca disso, a professora de psicologia no Le Moyne College em Nova York, Krystine Batcho, sustenta que é comum as pessoas encontrarem conforto na nostalgia quando enfrentam perdas, ansiedade, isolamento ou incertezas. Logo, a nostalgia foi usada como uma forma de escapar da realidade.

Ademais, a pandemia gerou um sentimento de tempo “perdido”, mal aproveitado, o que fez surgir desejos hedonistas que, alinhados as mídias sociais, fez com que passássemos a usar a nostalgia como uma forma de reviver “tempos bons”, mais simples (na medida do possível). Um exemplo desse fenômeno pode ser visto no ambiente da moda, com o retorno da estética dos anos 2000 (Y2K) e 2010, que voltaram a ser tendência por sua popularização no TikTok. Sendo assim, o professor de psicologia da Universidade Estadual da Dakota do Norte, Clay Routledge, afirma: “acredito que muitas pessoas estão se voltando para a nostalgia, mesmo que inconscientemente, como uma força estabilizadora e uma forma de lembrar das coisas que mais gostam”. Assim, a nostalgia traz um sentimento de conforto e de familiaridade.

Portanto, ao nos depararmos com a situação excepcional e prolongada que foi a pandemia, passamos a buscar um meio de superar nossa solidão, nossa melancolia e de suprir o tempo que perdemos isolados e distantes da realidade, e a nostalgia se tornou uma ferramenta que possibilitou isso. Em um comportamento saudosista, nos escondemos em tempos passados e familiares como uma fuga da realidade que nos assombra, que nos machuca e que nos corrói, o que faz da nostalgia uma perfeita forma de escapismo. Afinal, qual o melhor modo de suportar a realidade do que se aventurando em vagarosas lembranças por nós carinhosamente guardadas.

Publicado por Gabriela Ferro


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s