Viver é caótico

Por Isabella Dariano Mardegan Moschim

Conversando com uma amiga, coisa que faço tanto que nenhuma amiga se sentirá exposta, concluímos que viver é simplesmente caótico.

Depois de horas, chegamos ao seguinte raciocínio: enquanto crianças, somos levados a crer que aos 18 anos seremos adultos. “Adulto” é um conceito que significa aquele que sabe o que está fazendo, possui poder de escolha, é responsável por si e livre. Então, ao fazermos 18 anos percebemos que não temos condições físicas, emocionais e financeiras para sermos nomeados como algo além de jovens. Afinal, um simples aniversário não poderia trazer a gama de experiências e aprendizados necessários para nos tornarmos efetivos adultos. No entanto, pressupõe-se que isso aconteceria eventualmente, certo?

Foi nesse momento que começamos a discordar, afinal, ninguém sabe o que está fazendo ou realmente existem pessoas que sabem como ser um adulto?

Na minha opinião, absolutamente ninguém sabe como levar a vida. Somos ensinados a traçar e planejar metas, ao mesmo tempo que esperam que lidemos com o desmantelamento de nossos sonhos com toda a graça e compreensão. Afinal, a vida é o que é e não há nada que possamos fazer para mudar os rumos traçados. Assim, nós idealizamos o futuro como seres humanos que precisam de um senso de controle, ainda que seja ilusório. Entretanto, reagimos de acordo com a situação concreta a qual somos expostos no decorrer da jornada. Não há manual de instruções. Ninguém deveria saber o que está fazendo e esse seria justamente o ponto? A vida acontece como deveria — em meio ao caos?

Já na opinião dela, algumas pessoas sabem sim o que querem da vida. Seriam indivíduos tão certos de si e do destino que traçaram que, independente de onde fossem atirados, manteriam-se fiéis aos planos de sempre. Afinal, deixar a onda levar não é permanecer passivo frente a vida? A vida adulta deveria ser sinônimo de responsabilidade e liberdade. Viver no automático seria a melhor maneira? Deveríamos lutar pelas nossas escolhas ainda que fossem contrárias aos ventos da realidade?

De qualquer modo, esse texto passa longe de ser motivacional. Para variar, tenho muitas perguntas e quase nenhuma resposta.

Porém, sempre concordamos em um ponto: ninguém falha por simplesmente ser o que é, independente de qualquer opinião alheia. A vida é caótica, não há ordem ou certezas.

Publicado por Isabella Dariano Mardegan Moschim


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s