Por Larissa Sousa e Ana Clara Morandi

Dando continuidade à nossa coluna de apresentação dos professores da Faculdade de Direito, a publicação de hoje é dedicada ao professor Guilherme Madeira Dezem. Graduado (1997), mestrado (2008) e doutorado (2013) pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, além de professor no curso de graduação e pós-graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie, ele também é juiz de direito em São Paulo. Além disso, é professor do curso Damásio de preparação para a OAB e para concursos públicos.

Fã de cinema e literatura, apaixonado por corridas e com uma história de vida incrível, ele é adorado pelos alunos que têm o privilégio de terem aulas com ele. O JP3 o entrevistou sobre assuntos como a carreira docente, a decisão de prestar concurso público e o processo de dedicação e estudos para aprovação.

1) Quando o senhor tomou a decisão de seguir a carreira da magistratura? Como o senhor se preparou para as diversas etapas do concurso, incluindo o manejo entre vida pessoal e estudos?

Quando eu estava no quinto ano da faculdade, eu percebi que eu não queria seguir para o setor privado. Me faltava, talvez, talento para poder negociar honorários e esse tipo de coisa que é próprio do setor privado, e eu também queria ter a minha independência. E por conta disso, eu resolvi ir para o setor público. E no setor público eu, na época, estava em dúvida entre a magistratura e o Ministério Público. Prestei ambos e fui aprovado na magistratura. 

A questão da preparação não é fácil porque envolve muito estudo, né? E aí o pessoal pergunta: “como se preparou pras diversas etapas do concurso? Incluindo o manejo entre vida pessoal e estudos?” Olha, eu tinha uma vida pessoal muito restrita, né? Embora eu tivesse namorada na época, ela também estava prestando concurso. Então, essa minha namorada também tinha muito pouco tempo, isso era uma vantagem, o que eu costumo brincar é: namore concurseiros, porque concurseiros se entendem.

2) A carreira docente sempre esteve em seus planos?

Quanto à questão da carreira docente, isso eu sempre tive em mente que eu queria ser professor. Eu venho de uma família de professores — não professores universitários, são professores de escola estadual — e, portanto, para mim, sempre esteve nos planos ser professor. Eu sabia que eu seria professor.

3) Professor, que dica você daria para os alunos que estão cursando Direito atualmente? Alguma coisa que você gostaria de ter ouvido em seus tempos como estudante.

As dicas que eu dou para os alunos que estão cursando direito atualmente são: estude a letra da lei, saiba a lei. A segunda é: leia a doutrina. E a terceira coisa é: se preocupe também com coisas fora do direito… Literatura e cinema são temas muito importantes e que tornam as pessoas melhores. Então: letra da lei, doutrina e literatura/cinema.

4) Professor, para o senhor, quais são as coisas mais importantes da vida?

Acho que a coisa mais importante da vida é viajar leve. Eu acho que a gente deve buscar a leveza, viajar leve, é isso que eu diria. Valeu, gente!

Publicado por Larissa Sousa


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico online dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!