O capitalismo roubou nossa bandeira em junho

Por Isabel Sousa

Com a popularização dos movimentos identitários e sociais, como é o caso do movimento LGBTQIA+, conquistamos espaço na luta para exigir representatividade nos meios de comunicação, e, para a organização  enquanto forma de luta, isso é ótimo. De acordo com a conceituação de Nancy Fraser, a diferenciação social pela sexualidade apresenta como remédio a política de reconhecimento, uma vez que o preconceito que tal movimento sofre está enraizado na estrutura cultural-valorativa da sociedade.

Então, estamos conquistando espaço. Mas até onde?

O mês de junho, por conta da comemoração no dia 28 do dia internacional do orgulho LGBT+, é reconhecido como o mês da causa e, assim, ganhamos ainda mais visibilidade e há um foco coletivo no tema. Claro,  o capitalismo não deixaria tal visibilidade passar.

Por meio de uma representatividade fingida e uma pretensão de apoio, vemos de forma escancarada como o marketing das empresas simplesmente ficam coloridos, com as cores da bandeira LGBT+, durante o mês de junho. Trocam os fundos dos logos, lançam edições comemorativas de produtos, mas o apoio real à causa não é feito.

Não é um evento isolado. Em março, com o dia das mulheres, todas as marcas mostram como as mulheres são fortes; em novembro, todos querem falar sobre como não são racistas. Mas, só quem faz parte dos grupos e vive todos os outros dias sendo mulher, LGBTQIA+ e negro/a sabe que são essas grandes empresas que não contratam minorias, que promovem um ambiente de trabalho hostil e preconceituoso, e, muitas vezes, ainda são descaradamente preconceituosos.

O movimento de reconhecimento e construção de identidade pelo qual precisamos lutar começa no individual e permeia o coletivo de forma autônoma e não visando lucro. Nossa identidade não pode ser comercializada e destituída de seus princípios e valores.

Com luta, amor e resistência,

Coletivo Cassandra Rios

Publicado por Vitória Cruz


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s