Como lidar com a derrota?

Por Claudio Ottani

Quando eu era menor, pensava que se eu fosse exposto à derrota uma grande quantidade de vezes aprenderia a lidar com ela. Infelizmente eu estava errado. Já adulto, ainda tenho me frustrado quando perco um mísero jogo de UNO, é um saco perder. O pior é quando os outros, ao verem sua frustração, dizem: “é só um jogo”; “é só uma prova”; “é só uma entrevista de emprego” …

Cansado desse maldito sentimento, resolvi tentar compreendê-lo para obter uma forma de amenizá-lo. Compartilharei os resultados de minha busca ao longo desse texto, espero que o leitor faça bom uso.

Minha primeira tentativa foi pesquisar no google “como lidar com a derrota?”. Para a minha decepção, obtive várias respostas vagas e broncas motivacionais de sites aleatórios que não me ajudaram em nada. “Tente entender que a sua dor não é especial”, como isso poderia me ajudar? Eu estou pouco me lixando se ela é especial ou não, eu quero uma forma de amenizá-la.

Minha segunda abordagem foi observar o comportamento de outras pessoas com relação ao sentimento de derrota. Tornou-se evidente que alguns o sentem mais do que outros, não necessariamente por saberem lidar melhor com ele, mas por atribuírem menos importância à competição. Isso está intrinsecamente ligado aos interesses, a personalidade do indivíduo e a situação em que ele se encontra.

Quanto mais competitivo o indivíduo é, maior a probabilidade dele se frustrar com a situação em que ele se encontra. Deve ficar claro que ninguém é essencialmente competitivo, trata-se de um comportamento circunstancial. Uma pessoa que não dá a mínima para futebol pode ser extremamente competitiva quando está jogando xadrez ou quando está debatendo sobre política.

Geralmente nós nos demonstramos competitivos em áreas que nos interessam. Tende-se a dizer que quando nos tornamos bons em algo, também nos tornamos arrogantes, confiantes de que temos o domínio sobre aquilo. Quando percebemos que não temos o domínio daquela situação, há uma quebra de expectativa que gera decepção, daí se origina nossa frustração.

O sentimento de derrota é ainda mais catastrófico para o nosso humor quando se tem noção de que o que está em jogo é o nosso tempo. Quando tiramos notas ruins em uma prova, quando não obtemos êxito numa entrevista de emprego ou mesmo quando falhamos em um jogo de UNO, o que perdemos em decorrência da derrota é fundamentalmente tempo.

Assim observado, concluí que geralmente a frustração decorre da quebra de expectativas e da perda de tempo. Isso acontece pelo fato de termos um instinto de eficácia, desejamos inconscientemente obter controle sobre situações e ter resultados positivos quando investimos nosso tempo em alguma coisa.

Legal, mas isso não ajudou nada. Para começo de conversa, eu não vou deixar de investir meu tempo em algo pelo risco de perder tempo e me decepcionar. Se você tentar reduzir suas expectativas, sua satisfação também não será das maiores quando você obtiver êxito. É muito satisfatório se gabar por ser bom em algo e no final das contas realmente ser bom naquilo.

Dessa forma, só nos resta o caminho difícil. É óbvio que a melhor forma de não sofrer com o sentimento de derrota é não tendo que arcar com ele, mas não havendo opção, devemos torná-lo menos oneroso.

Primeiramente, abstenha-se de perder tempo. Se algo deve ser feito e você não tem ideia de como fazer, não aguarde, seja rápido e execute uma ação a partir do que você sabe. Se você ficar uma hora se esforçando para vencer um jogo de UNO e perder, vai se frustrar bastante. Você poderia ter jogado quatro jogos de quinze minutos e provavelmente teria vencido alguns deles.

Se você percebe que seu desempenho está ruim em uma prova, não prolongue o seu sofrimento. Responda como souber e volte para a casa mais cedo. Se você está indo mal em uma entrevista de emprego, responda o entrevistador com respostas breves e objetivas, não perca seu tempo, poupe-se da humilhação.

A economia de tempo é uma boa prática para lidar com a derrota, a diferença é tão grande que gradualmente percebemos que o tempo é tão valioso quanto o dinheiro, ou mesmo quanto ao êxito em certas circunstâncias. Às vezes uma derrota é menos custosa do que uma vitória e permite que você tenha mais tempo para outra tentativa ou para se preparar para a próxima vez.

Sempre sofreremos com o sentimento da derrota, mas garanto que a solução a qual cheguei me ajudou bastante a amenizá-lo e possivelmente também ajudará o leitor. Lógico, não serei pretencioso e dizer que essa é uma solução que pode ajudar qualquer um, às vezes temos que desenvolver nossas próprias soluções.

Publicado por Claudio Ottani


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s