“12 homens e uma sentença” como objeto de estudo jurídico científico.

Por Isabela da Silva Aquino

A história  é baseada  em um crime de homicídio supostamente praticado por um jovem porto-riquenho contra o seu próprio pai. Por consequência, o mesmo estava sendo acusado e, desta forma,  corria o risco de ser condenado a pena de morte pelo ato.

O tribunal do júri foi formado por 12 homens que se reuniram  para discutir e dar a sentença desse possível ato brutal. 

A abordagem do filme é extremamente interessante por apresentar por si só duas visões sobre o caso e, principalmente, pela ênfase exposta em cada interpretação individual, de acordo com os fatos mencionados no processo em si.

A princípio, vale considerar a inocência do réu, até que se prove ao contrário, caso houvesse dúvidas ou discrepância de ideias, de acordo com o princípio penal in dúbio pro réu, que determina o benefício da dúvida em favor do réu por parte do júri que detém o poder de decisão final perante o processo corrido e que  se faz presente no filme por um dos indivíduos que compunham o time dos jurados, o “oitavo jurado”, e que, por conseguinte, causa nos telespectadores e em seus colegas de júri, uma indagação a respeito do veredicto. 

Logo, deve-se levar em consideração desde o início a precisão das ordens, pois o veredicto só poderia ser apresentado caso houvesse unanimidade nas decisões, afinal, ambas seriam injustas, ou seja, condenar um inocente ou absolver um culpado. Portanto, a responsabilidade para a certificação de todas as circunstâncias atenuantes e agravantes espera-se do júri, que observe atentamente todas as provas e analise criteriosamente todas as testemunhas presentes para que concluam de fato à justiça. 

A visão sobre a sentença  se modifica ao longo do enredo, pelos questionamentos levantados por um dos integrantes, porém se torna indispensável a afirmação de que nunca se deve contentar com apenas uma possibilidade. É fundamental levar em consideração todas as provas, todos os fatos e todas as possíveis chances, pois a busca pela investigação se faz totalmente necessária. 

 A discussão é extremamente relevante para ascender pontos muitas vezes despercebidos ou minuciosos, que nos ajuda a chegar em tal conclusão.

Portanto, o filme demonstra  os maiores pontos diante a ciência jurídica, sendo caracterizado pelo poder de argumentação, a validez de todas as possíveis possibilidades e a importância da análise hermenêutica.  

Publicado por Isabela da Silva Aquino


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico online dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe e fique em casa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s