Por Larissa Sousa

No dia 29 de maio de 2021, um sábado, milhares de pessoas em diversos lugares do Brasil foram às ruas protestar contra o governo Bolsonaro. Os motivos são os que todos os brasileiros que estão realmente prestando atenção na realidade do país entendem, dentre os quais podemos citar as inúmeras recusas em comprar vacina contra a Covid-19, levando milhares de pessoas a uma morte que poderia ter sido evitada. Tais protestos receberam diversas críticas em razão das aglomerações que foram geradas, apesar de a grande parte dos manifestantes estarem usando máscaras. 

Circulou pelas redes sociais uma publicação com o seguinte dizer: “Se o povo vai às ruas em meio à uma pandemia, é porque o governo é mais perigoso do que o vírus”, o qual escancara a realidade brasileira: a população se sente mais ameaçada pelo governo do que pelo vírus. Por diversas vezes, este mesmo governo menosprezou a gravidade da pandemia; ridicularizou o sofrimento que as pessoas acometidas pela COVID-19 enfrentam, assim como suas famílias; e desrespeitou o luto de diversas famílias que perderam algum de seus membros para a COVID-19. A partir do momento em que milhares de brasileiros ainda estão morrendo de uma doença para a qual existe vacina, a qual foi ignorada pelo governo diversas vezes, é inegável que o governo é mais perigoso que o vírus.

Os protestos de 29 de maio reuniram uma imensa quantidade de pessoas, sendo, portanto, um evento passível de manchete de jornais, certo? Não. Boa parte dos jornais de grande circulação do Brasil não deram a devida importância para os protestos, explicitando a política de “abafar” as manifestações contra o governo Bolsonaro, política que, aliás, vem sendo adotada desde o início do mandato. Abaixo, trouxe as capas de 3 dos jornais de grande circulação do Brasil do dia 30 de maio de 2021, um dia após os protestos: “O Estado de S. Paulo”, “O Globo” e “Folha de São Paulo”. Como podemos ver, dentre eles, apenas a Folha de São Paulo colocou os protestos, um evento de grande importância para o país, independentemente do posicionamento político adotado, na primeira página do jornal, enquanto O Estado de S. Paulo e O Globo não deram a devida importância para tal evento, optando por colocar outras notícias em suas primeiras páginas.

A verdade é que nós, brasileiros, estamos cansados. Estamos exaustos de pedir o mínimo: não queremos sentir a morte rondando como estamos sentindo agora. Aliás, ninguém quer. Falo de um ponto de vista privilegiado, não precisei me expor durante a pandemia para garantir o meu sustento e o da minha família, não tive que escolher entre passar fome e correr o risco de me contaminar, não senti na pele a dor de perder alguém para uma doença para a qual já existe vacina. Mas a cada final de dia, em que meu celular me avisa que mais uma vez morreram mil, duas mil, três mil pessoas, sinto medo de que talvez eu, minha família, meus amigos sejam os próximos. Como assim estamos na “fase de transição”? Milhares de mães, pais, avós, avôs, filhos e filhas morrem todos os dias e estamos na “fase de transição”? Transição para o quê? Para a banalização da morte? É, no mínimo, difícil escrever um texto sobre esse assunto para o qual já não temos mais palavras, todas elas já foram faladas, gritadas, escritas, agora só resta um sentimento de impotência, de desgaste.

Créditos: Folha de São Paulo

Assim, gostaria de expressar todo o meu respeito e solidariedade para todos os manifestantes que, bravamente, mesmo sob repressão policial, expressaram o sentimento de todos nós, brasileiros, que não aguentamos mais sobreviver: queremos viver, sem medo de morrer de COVID, sem medo de morrer de fome. E todo o meu respeito e solidariedade para todos os que sofrem com a perda de alguém para a COVID-19 e para todas as famílias que foram desestruturadas pela pandemia. É preciso, novamente, resistir. Aliás, quando, no Brasil, não foi preciso? 

Referências bibliográficas

“Protesto contra Bolsonaro em SP dispersa após ocupar 7 quarteirões da Paulista” Publicado pela Folha de São Paulo, em 29 de maio de 2021.[https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/05/protesto-contra-bolsonaro-em-meio-a-pandemia-bloqueia-avenida-paulista-em-sp.shtml

“Vacinas teriam salvo 95 mil vidas se governo Bolsonaro não tivesse ignorado ofertas, calcula pesquisador” Publicado pelo G1, em 28 de maio de 2021. [https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2021/05/28/vacinas-teriam-salvo-95-mil-vidas-se-governo-bolsonaro-nao-tivesse-ignorado-ofertas-calcula-pesquisador.ghtml]

Publicado por Larissa Sousa


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e mais informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico online dos alunos e dos antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e pela Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!