Por Júlia Orciuolo

“A ilusão é provavelmente a mais sutil de todas as artes. Demanda certa habilidade. Às vezes, uma boa dose de coragem. No fim, os meios não importam, pois só o resultado importa. E, é claro, a emoção de enganar todos.”

No dia 8 de Janeiro de 2021 a Netflix lançou a série “Lupin”, inspirada nas mundialmente famosas aventuras de Arséne Lupin, o Ladrão de Casacas, escritas pelo autor francês  Maurice LeBlanc nos anos 1800. Nos livros, o personagem é caracterizado como um ladrão ardiloso que muda de personalidade e de aparência para se adequar às mais diversas situações e realizar seus truques com maestria, justamente porque suas vítimas pertencem quase sempre à aristocracia e à alta sociedade francesa. Ainda, Arséne Lupin é considerado um dos maiores antagonistas de Sherlock Holmes, personagem de Arthur Conan Doyle que chega a aparecer em diversas aventuras de LeBlanc, sempre com os roubos de Lupin triunfando sobre as habilidades dele.

Nesse sentido, a série apresenta uma nova perspectiva das aventuras de Arséne Lupin, as trazendo para um contexto contemporâneo e dinâmico, alinhados ao gênero do suspense e da aventura. Com 5 episódios, a trama conta a história de Assane Diop (interpretado por Omar Sy), um homem que se inspira nas obras de LeBlanc para descobrir a verdade sobre o que aconteceu com seu pai, que cometeu suicídio por ter sido injustamente acusado de roubar um colar avaliado em milhões de euros, ao mesmo que tempo que busca sua vingança contra a família que o incriminou, sempre se inspirando no Ladrão de Casacas para despistar a polícia e não deixar rastro de seus planos.

Com esse enredo era de se esperar que a série fosse um sucesso. E foi justamente que isso aconteceu. “Lupin” já é um dos títulos mais assistidos da plataforma, junto com sucessos como Bridgerton, O Gambito da Rainha, La Casa de Papel e The Witcher, uma vez que desde a data de lançamento, praticamente não saiu top 10 títulos mais assistidos da plataforma em inúmeros países, inclusive aqui no Brasil. A segunda temporada já foi filmada e confirmada pela Netflix, mas ainda não tem data de lançamento (atualizaremos a reportagem quando disponibilizarem a data).  Além disso, os episódios são extremamente envolventes e com certeza a série pode ser maratonada em um final de semana!

Publicado por Júlia Orciuolo

Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio3

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!