por Júlia Orciuolo

Em meados da década de 1970, o psicopata Theodore Robert Bundy foi acusado de sequestrar, estuprar e matar ao menos 30 mulheres jovens em sete estados dos Estados Unidos. Os crimes foram confessados após quase uma década de negação.

O caso de Bundy se tornou mundialmente famoso devido a uma particularidade: ele se utilizou de seus conhecimentos adquiridos na faculdade de Direito para ser, em vários momentos, seu próprio advogado  no Tribunal. Sem esconder seu cinismo e sua frieza ao descrever os crimes, manteve um sorriso no rosto durante todo o processo de julgamento, seja nas audiências ou na prisão, o que despertou um enorme interesse midiático, fazendo com que o caso ganhasse grande repercussão. Assim, por meio de sua eloquência e carisma, conseguiu adiar sua execução, que só ocorreu em 1989.

Apesar da brutalidade de seus delitos, por meio de suas habilidades de comunicação, Bundy chegou a ganhar simpatizantes e admiradores, que acreditavam que ele realmente era inocente, tal qual se autointitulou por muito tempo. Deste modo, adequou sua postura, e seu vocabulário para prender a atenção dos ouvintes e criar um verdadeiro “circo” em cima de sua acusação.

Parece incrível acreditar na ideia de que um assassino em série pôde ser tão aclamado pelo público, mas o que torna o fato ainda mais curioso é  a possibilidade de repetição desse episódio, pois Ted Bundy usou apenas suas habilidades de oratória para atingir tal feito. Nesse ponto, é possível traçar um paralelo entre sua argumentação e a retórica sofista, que era conhecida por ser grandiloquente e enfática, ao passo que os adeptos a essa escola eram conhecidos por suas habilidades de convencer o público de algo que não era necessariamente uma verdade, por meio da relativização das perspectivas e dos pontos de vista.

Além disso, a própria figura do orador contribui para o alcance do efeito pretendido. Considerado um rapaz bem apessoado, educado e carismático, ele muitas vezes escondia sua verdadeira face perversa atrás de uma aparente calma e honestidade, sem mencionar sua dedicação  aos estudos. Todavia, longe das câmeras e da mídia, sua personalidade mudava totalmente, conferindo-lhe um ar de extrema insanidade e frieza. Deste modo, percebe-se a necessidade de adequação da própria postura do orador, que se utiliza dos artifícios que possui para cativar seu auditório a qualquer custo, sendo necessário, muitas vezes, o extremo controle emocional, tal qual ele apresentava nos Tribunais.

Enfim, é curioso pensar no poder e na importância da oratória para a vida, principalmente no âmbito do Direito. Mais importante do que ter bons argumentos, é saber articula-los para construir uma narrativa convincente. Parafraseando Desmond Tutu, ganhador do Nobel da Paz, você nunca precisará levantar sua voz se possuir bons argumentos.

REFERÊNCIAS:

[1] VIGGIANO, Juliana. Conheça Ted Bundy, serial killer que usava o charme para atrair vítimas. Revista Galileu. Publicado em 2 de agosto de 2019. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2019/08/conheca-ted-bundy-serial-killer-que-usava-o-charme-para-atrair-vitimas.html. Acesso em 15 de setembro de 2020.

[2] MARTINS, Fernando. Ted Bundy: conheça produções que contam a história do serial killer. Folha de Pernambuco, 3 de abril de 2020. Disponível em: https://www.folhape.com.br/cultura/ted-bundy-conheca-producoes-que-contam-a-historia-do-serial-killer/135914/. Acesso em 16 de setembro de 2020.

[3] SOUSA, Alana. Kimberly Leach, a última vítima do serial killer Ted Bundy. Aventuras na História. Publicado em 01 de maio de 2020.  Disponível em: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-kimberly-leach-ultima-vitima-de-ted-bundy.phtml. Acesso em 15 de setembro de 2020.  

[4] SANTOS, Milena Costa. Os sofistas e a arte da retórica. Publicado em abril de 2016.                                       Disponível em https://jus.com.br/artigos/48589/os-sofistas-e-a-arte-da-retorica. Acesso em 15 de setembro de 2020.

[5] MENDONÇA, Maitê. (Review) Conversando com um serial killer: Ted Bundy- A nova série policial da Netflix. Final Girl. Publicado em 25 de janeiro de 2019.                                                        Disponível em http://www.finalgirl.com.br/2019/01/review-conversando-com-um-serial-killer.html. Acesso em 15 de setembro de 2020.

[6] Biografias: Ted Bundy (Serial Killer). Aventuras na História. Autor e data da publicação não informados.                                                        Disponível em https://aventurasnahistoria.uol.com.br/personagens/ted-bundy.html. Acesso em 15 de setembro de 2020.

Publicado por Júlia Orciuolo


Siga o JP3!

Instagram: @jornalpredio

Facebook: fb.com/jornalpredio3


Mais notícias e informações:


Jornal Prédio 3 – JP3 é o periódico on-line dos alunos e antigos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizado pelo Centro Acadêmico João Mendes Júnior e a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Mackenzie (Alumni Direito Mackenzie). Participe!