Por Maria Eduarda Reis

O âmbito jurídico ainda é considerado como um dos mais tradicionais do mercado. A falta de representação nesse setor afasta integrantes de grupos minoritários de vagas e posições em escritórios renomados.

Apesar da tradição não privilegiar diversidade, diversos escritórios decidiram atuar contra essa lógica. Recentemente, uma matéria disponibilizada no jornal Valor Econômico descreve medidas que têm sido tomadas por escritórios que desejam “mudar a cara” de seus quadros de advogados e advogadas, prezando pela multiplicidade.

O escritório Lee, Brock, Camargo Advogados (LBCA), é exemplo desse novo movimento. Em um de seus processos seletivos, reservou cinco vagas que deveriam ser preenchidas por advogados e advogadas transexuais. Foi o caso de Alexandre, um dos novos integrantes do LBCA. Ele conta que foi uma situação inédita ser convocado para a entrevista após 2 dias do envio de seu currículo:

“Isso nunca tinha acontecido. Das outras vezes eu via no rosto das pessoas, durante o processo de seleção, que não seria contratado, bastava falar que era transexual.”

 

A partir de sua fala, é possível extrair que muitas vezes a discriminação não é direta e explícita, se manifestando de maneiras sutis. Também pode-se analisar que a patente desigualdade de oportunidades foi pautada de forma exemplar pelo LBCA.

Solano de Camargo, um dos sócios do LBCA, reconhece que há uma necessidade não só de apenas viabilizar a entrada de minorias nesses ambientes, mas como de buscar ativamente a inclusão dos mesmos.

“O escritório, recorda o advogado, apesar de nunca ter feito restrição ao perfil do contratado, não tinha esses funcionários. “A advocacia ainda é vista como um ramo de negócio tradicional e talvez, por esse motivo, as pessoas nem se candidatem às vagas”, diz Camargo. “Percebemos, então, que não basta ter um processo de seleção amplo. Para tê-los no escritório nós precisamos ir atrás”, complementa.”

O papel de incentivar a pluralidade nos escritórios é fundamental para que todos se sintam acolhidos e seguros em suas profissões. Outro ponto importante é o treinamento dos recursos humanos (RH), que não podem demonstrar desrespeito a qualquer candidato, devendo aceitar e saber lidar com a diversidade.

Analisando os currículos que recebe com frequência, o advogado e professor Ruy Copolla, sócio do FCTK Advogados, percebeu que várias mulheres demonstram que são solteiras e não têm filhos. Essas informações são dadas porque elas percebem que o mercado prioriza quem possui tais características. O estereótipo estabelece que a mulher deve colocar a família em primeiro lugar, logo, assume-se que elas não se dedicam tanto ao trabalho quanto os homens.

Um dos maiores escritórios de São Paulo, o Mattos Filho, já possui 3 grupos, que têm como tópicos de discussão mulheres, negros e LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais).

Além da clara relevância social da integração de grupos minoritários, outro fator que leva os escritórios a procurarem diversificar as contratações é a demanda dos clientes. Gradativamente, as empresas vêm seguindo os passos de “gigantes” como o Facebook e o Walmart, os quais optam por investir e contratar outras empresas que privilegiam a diversidade.

Nesse sentido, Francisco Todorov, integrante do quadro de sócios do Trench Rossi e Watanabe, menciona que o escritório obteve um retorno extremamente positivo de um de seus clientes:

“Participamos da cotação de uma grande empresa e uma das perguntas que nos fizeram tratava sobre a diversidade de gênero. Depois de contratado soubemos pelo cliente que esse foi um diferencial. No sistema de pontuação interna deles, disseram, nós ganhamos muito.”

Por fim, é preciso investir em um modelo além do “tradicional”, que só poderá existir se práticas inclusivas forem intrínsecas aos processos seletivos, contribuindo para a integração dentro dos escritórios. É evidente que mudanças apontam para o desenvolvimento de áreas jurídicas em conformidade com as pautas da justiça e da inclusão social, bem mais próximas da realidade.

Gostaria de integrar nosso time de Redatoras e Redatores? Tem alguma matéria que gostaria de ver no Jornal Prédio 3? Entre em contato conosco!